Folha do Motorista SP
Edição online | Edições em PDF
Folha do Motorista RJ
Edição online | Edições em PDF

Sistema de Transmissão – das pistas de fórmula 1 para as ruas urbanas

Tecnologia permite avanços também para o motorista comum


O mês de novembro marca o final do calendário mundial de Fórmula 1. E a última prova é justamente no Brasil. Uma das contribuições do esporte para o público em geral está no desenvolvimento de sistemas automotivos. Entre eles está o câmbio.


O primeiro Sistema de Controle Eletrônico da Transmissão Mecânica estreou na Fórmula 1em 1989, fabricado pela Magneti Marelli. Tinha como objetivo aumentar a rapidez nas trocas de machas, sem aumentar o consumo e sem roubar potência do motor.


O sistema foi direcionado para o consumidor comum. E, quando ganhou as ruas, agregou a praticidade e a funcionalidade de um câmbio automático.


A Transmissão Automatizada ASG – I-Motion, incluída nos veículos da Volkswagen, é fabricada pela Magneti Marelli. Dá motorista a opção de escolha entre a troca automática e a sequencial.


Trata-se de uma caixa de câmbio tradicional na qual o comando manual foi substituído por um conjunto controlado por uma central eletrônica. É ela quem comanda a troca das marchas automaticamente, além de atuar na embreagem (sem pedal) do mesmo modo. De última geração, ele traz um sistema que se adapta ao estilo de condução do motorista e economia de combustível.


O sistema pode ser usado na opção automático ou mecânico a qualquer instante e com o carro parado ou em movimento. Oferece ainda a função Auto-down — no modo manual, se o motorista não quiser, ele não precisa reduzir as marchas para, por exemplo, parar em um semáforo.


A central eletrônica reconhece a rotação mínima e faz as trocas automaticamente, não deixando o carro "morrer".


Na função Kick-down — quando o motorista pisa fundo no pedal do acelerador – o sistema reduz automaticamente as marchas, incrementando a performance. Uma dose extra de Potência nas ultrapassagens.


No modo Esportivo – acione a tecla "S" e as trocas de marchas passam a ser efetuadas em um giro mais alto, aproveitando melhor a potência do motor.


A proteção do giro do motor – O objetivo aqui é preservar a durabilidade do motor e para isso o sistema impede que o motor exceda o limite previsto de rotações. Por exemplo, se você estiver dirigindo no "manual" e tenta uma redução de marchas muito brusca, em segunda marcha a 110 km/h – o sistema não reduz e avisa por meio de um alarme sonoro e uma mensagem de "manobra não consentida" no quadro de instrumentos.


O mesmo resultado ocorrerá se o motorista tentar engatar uma marcha maior em uma velocidade ou rotação muito baixa.


Estilo de Condução e Menor consumo – o sistema I-Motion memoriza a forma de condução (manual ou automática) selecionada quando o veículo foi desligado pela última vez. Também se adapta ao estilo de condução do motorista, ou seja, as trocas das marchas acontecem em rotações diferentes, dependendo da posição do acelerador.


Em relação ao consumo, a fábrica divulga que o I-Motion, no modo automático, ajuda a economizar combustível em até 5% e sistema de embreagem. Aumenta a vida útil do motor e proporciona menor custo de manutenção.


A maior vantagem na manutenção do câmbio I-Motion em relação aos outros câmbios automáticos que estão no mercado, é que a Manutenção do câmbio I-Motion é feito dentro das Redes de Concessionárias Volkswagen não necessitando enviar a caixa de marcha para Lojas especializadas fora do Estado do Rio de Janeiro.


I-Motion e GNV – O câmbio I-Motion se adapta perfeitamente ao Sistema de GNV 5ª. Geração sem nenhum problema, desde que seja instalado com mão de obra qualificada e equipamentos confiáveis e de boa procedência. É a tecnologia das pistas nas mãos do motorista.


(Com informações da Guandu Veículos.)

Curta a Folha do Motorista

Visitantes online

Temos 31 visitantes e Nenhum membro online

Links Interessantes: Coruja Feed  | Agência Igloo Digital